Servidores do CPII param nesta sexta (10) e participam dos atos contra as reformas de Temer

Manifestação conjunta e unificada no Centro do Rio terá concentração às 16h na Candelária

IMPRENSA SINDSCOPE

Os servidores do Colégio Pedro II param por 24 horas nesta sexta-feira (10), para participar dos protestos nacionais que correm na véspera da entrada em vigor da reforma trabalhista, considerada pelos sindicatos o maior ataque às leis laborais da história do Brasil

Ao longo do dia haverá manifestações provavelmente em todas as capitais do país e em dezenas de outras cidades. No Rio, a concentração para o ato unificado convocado pelos sindicatos, centrais e movimentos sociais e populares começa às 16 horas, na Candelária.

Os protestos contestam os projetos e o próprio governo de Michel Temer, apontado como ilegítimo e inimigo da classe trabalhadora. O Dia Nacional de Luta com atos e paralisações exige o arquivamento da reforma da Previdência e a revogação da trabalhista, da Lei das Terceirizações e da emenda constitucional que congelou e, na prática, reduzirá os recursos dos serviços públicos (EC 95) – atingindo pesadamente áreas como a educação, a Pesquisa e a Ciência e Tecnologia.

Também defende a retirada da Medida Provisória 805, que aumenta a alíquota previdenciária dos servidores, passando de 11% para 14% sobre o que exceder o teto do Regime Geral da Previdência Social, e adia para 2019 a parcela de reajustes de vários setores do funcionalismo, entre eles os docentes federais.

Reação

O dia de manifestações nacionais desta sexta buscam recolocar nas ruas a luta contra os projetos de um governo que possui, segundo as pesquisas, menos de 5% de apoio da população, mas que tenta entrar para história como o que mais direitos e conquistas retirou da classe trabalhadora.

IMPRENSA SINDSCOPE